Contador de Visitas

Arquivos do Blog

Seguidores

Razão e sentimento

Razão e sentimento
Minha foto
Uma menina-mulher sonharadora convicta, pore´m de uma racionalidade necessária.

.

.
quinta-feira, 12 de junho de 2014

LETÍCIA


A volta pra casa foi tranquila. Depois do beijo, tanto Túlio quanto Mayra fingiram que nada havia acontecido e continuaram seu passeio pela beira-mar. Arriscaram até andar de trenzinho da alegria. Mayra estava, diferente do início do passeio, completamente livre e queria mesmo era aproveitar tudo aquilo e Túlio fazia o mesmo já que era coisa rara Mayra aceitar seus convites românticos.
Pararam na porta da casa de Mayra antes das 22:00 horas para alegria e despreocupação de D. Nalva. Túlio desligou o carro e virou para Mayra:
― Adorei nosso passeio. Saiba que, independente do que aconteceu, sou seu. Sempre...
― Também adorei o passeio. ― Aproximou do rosto de Túlio para dar um beijinho de agradecimento, mas o garoto não perdeu a oportunidade e virou um pouquinho o rosto resultanto em outro beijo que Mayra não negou. ― Tchau.
Mal o carro avançou, D. Nalva já estava no portão recebendo a filha que entrou muito sorridente e preferiu dizer apenas que tinha adorado o passeio. Só aí Mayra resolveu olhar seu celular que estava esquecido no fundo da bolsa. Havia três chamadas de sua melhor amiga Letícia e algumas mensagens da menina que parecia desesperada pedindo que Mayra assim que visse aquela mensagem lhe ligasse não importava a hora.
MAYRA: ― Amiga, o que houve? Só agora vi suas mensagens.
LETÍCIA: ― Amiga, houve uma discussão horrível aqui em casa entre meus pais. Não o que está havendo, mas agora eles brigam sempre. Aí eu fiquei tão nervosa que precisava conversar com alguém. Mas já estou mais calma, amiga. Só um pouco preocupada, pois meu pai saiu muito aborrecido, enfim...
MAYRA: ― Fica assim não, amiga. Vai dar tudo certo. Todo casal briga. Não se preocupa. Teu pai é um homem tão calmo, ele não vai fazer besteira nenhuma.
LETÍCIA: ― É... mas e aí me conta como foi o passeio com o Túlio?
MAYRA: ― Nada disso. Hoje você está no foco. Quero te ver bem, depois conto do passeio.
LETÍCIA: ― Ô amiga, isso só vai acontecer quando meu pai estiver em casa e o clima estiver mais calmo.
***
Letícia ouvira o pai falar em ir embora e ela sabia que a mãe era uma pessoa difícil. Difícil, mas muito dedicar e esforçada pela família. Só em pensar nessa hipótese, seu corpo tremia. Nunca tinha sido assim. Ela lembrava perfeitamente que os pais eram muito unidos, brincavam junto com ela e com Lêda, sua irmã mais nova que agora contava sete anos, uma criança ainda. Não, não queria nem pensar na hipótese de separação. Sua irmã ainda era uma criança nem tinha condições de entender direito tudo que havia se passado. Os pais brigaram em um volume mediano e se ela não fosse tão atenta nem tinha percebido a gravidade. Ir embora... aquela frase não abandonava sua mente, ficava girando, girando, como se fosse um letreiro em led, mas já estava tarde e ela precisava descansar para quem sabe conversar com o pai pela manhã ou pelo menos sentir como estava o clima entre eles. Sabe-se que depois de uma briga nada melhor que um tempo para acalmar os ânimos e deixar a poeira baixar.
Demorou muito a dormir, pois a tal frase teimava em dançar em sua mente, mas o cansaço venceu Letícia quando ouviu, lá pelas duas da manhã, seu pai chegando. Percebeu também que o pai dormiria no sofá da sala, pois ouviu uma movimentação suspeita, mas nem arriscou dar uma olhada, a casa já estava em silêncio e além do mais não era legal ela se intrometer.
De manhã, tomaram café juntos: pai, mãe e filhas, mas nem uma palavra foi pronunciada de um com outro. Era domingo e costumeiramente nós saíamos para almoçar fora. Lêda perguntou:
― Vamos almoçar em qual vovó hoje?
― Na casa da vovó Célia, filha. ― respondeu Sr. Pedro antes que a mãe de Letícia tivesse a chance de pensar em responder.

Íamos mais para vovó Célia, que era mãe de Pedro, porque ela morava mais perto. Então não houve estranhamento e a mãe gostou que Lêda perguntasse, assim era ficaria sabendo sem se dar ao trabalho de ter que puxar conversa. O clima estava pesado, mas o pai estava em casa e era isso que importava pra Letícia, então ela fingiu que estava tudo ótimo como sempre.

2 comentários:

Myrella Dias disse...

Eitaa.. Próximo tia! ♥

Leticia disse...

Ameeii, já quero outro u.u